Frango da Avó Gratinado no Forno com Limão

Sexta-feira, Setembro 11, 2009

Sou uma menina da cidade.
E gosto.
Não gosto de hortas, não gosto de terra, não gosto de animais domésticos.
Chamem-me esquisita, entra por um ouvido e sai pelo outro!

Quando era pequena vivia numa casa onde tinha tudo isso, árvores de fruto, animais para consumo (galinhas, patos, coelhos…), hortaliças… quando se queria uma alface ia à horta apanhar, quando queríamos ovos íamos à capoeira das galinhas.
Lembro-me muito bem de uma vez a minha Mãe me ter dito para ir buscar uns ovos à capoeira. Havia lá um galo que não gostou de me ver lá dentro e se atirou a mim. Gritei tanto, mas tanto, que todas a vizinhas souberam o que se passava de tão alto que eu berrei!
Nunca me vou esquecer de ter agarrado num pau de uma vassoura que lá estava e ter dado com ele na cabeça do galo!
Levou tanta porrada na cabeça… pobre animal… desde esse dia nunca mais me viram dentro de uma capoeira!

Confesso, não tenho saudades desse tempo, nunca me seduziu.
Agora quando preciso de alguma coisa vou a casa dos meus Avós.
Eles têem muito gosto em tratar das coisas e têem tudo o que precisam para sustento próprio.
São felizes assim, ainda bem.
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.

Tudo isto para explicar que esta receita foi feita com um frango caseiro, não criado por mim (dahhhhhh!!!!), mas pela minha querida Avó Mariana!

Ingredientes:
| 1 Frango Caseiro
| 1 Caldo de Tempero de Pimentão, Louro e Alho
| 2 Limões
| 3 Dentes de Alho
| 2 Folhas de Louro
| Azeite
| Margarina

| Arroz de Manteiga

Preparação:
Num pirex de ir ao forno coloca-se o frango.
Por cima o caldo de tempero desfeito com as mãos, os dentes de alho, o louro e o sumo dos limões.
Deixa-se tomar gosto durante 30 minutos.
Rega-se com um pouco de azeite e por cima colocam-se umas nozes de margarina.

Leva-se a forno pré-aquecido a 190º, virando a meio da cozedura até gratinar uniformemente.
Convém ir regando o frango várias vezes com o molho, para que não fique seco.

No final trincha-se e serve-se.
O meu marido fez um alarido tão grande para trinchar o frango que a pequenina estava estupefacta, isto porque nunca tinha visto o pai a fazer tal serviço (ele geralmente senta-se apenas à mesa para jantar, é o único trabalho que tem com as refeições).

Para acompanhar fiz um arroz de manteiga simples, que depois servi de uma forma mais apelativa para as crianças.
Tenho umas formas da tupperware, daquelas que dão nos brindes das reuniões, e que são o máximo para formar bolinhos de arroz:

Visitem!

Print Friendly, PDF & Email
0
28 Responses
  • sonia
    Setembro 11, 2009

    Eheh…gostei do teu "passado" com o galo. Pois eu tambem morei assim 18 anos. com trabalhos de campo, etc. E sempre sonhava " um dia quero ir para Lisboa, para a cidade"…eheh. Acabei por ficar numa cidadezinha mais perto mas também já não me imagino a viver como antes. A ideia de uma casa deixava-me apavorada e teve que ser para apartamento…eheh. no entanto adoro natureza, passear e explorar. mas nada de trabalho de campo e criaçao de bichos!! naaaaa…. Pois os teus avózinhos têm uma optima criaçao. E esse frango tostadinho ficou lindo.Beijocas

  • Pratos da Bela
    Setembro 11, 2009

    Maravilhoso,,,
    Jinhos fofos

  • Docinhos e Miminhos da SweetSofia
    Setembro 11, 2009

    Este franguinho devia estar uma maravilha.. as coisas caseiras tem sempre outro sabor
    beijocas (*.*)

  • Anónimo
    Setembro 11, 2009

    Franguinho Caseiro é outro luxo! E este tem mesmo bom aspecto.

  • Beatriz
    Setembro 11, 2009

    Estou farta de me rir com a tua história…!!!

  • Margarida
    Setembro 11, 2009

    Parece que andamos as duas numa de frango no forno. É tão bom!! E da capoeira da avó ainda melhor. ; )
    bjss

  • conceicao
    Setembro 11, 2009

    Que óptimo aspecto. A forma é muito gira.
    Bjs

  • Manuela L.
    Setembro 11, 2009

    eheheh Luisa que historia engraçada!!!
    Este franguinho ficou uma delicia!
    bjs

  • Raspas de Laranja
    Setembro 11, 2009

    É pá, a malta estava mesmo com fome, de faca em pumo, foge… frango que eles vao-te comer. 🙂

  • Elisabete
    Setembro 11, 2009

    Ai Luísa, adorei a história (ri muito por causa do galo) e adorei o franguinho, deve ficar delcioso.
    Que aspecto tão douradinho, maravilhoso.

  • Luísa Alexandra
    Setembro 11, 2009

    Eu não sou nada de coisas do campo, muito pelo contrário.
    São opções!
    Claro que não critico quem gosta, mas não é, de todo, o meu género.
    Apesar disso dou imenso valor aos ingredientes caseiros, sinto-me muito priviligiada em os ter sempre à disposição.

  • SoraiaSilva
    Setembro 11, 2009

    Luísa.. Adorei a tua história e a tua "luta" com o raio do galo 😀 Fartei-me de rir! Ah ah ah..
    Quanto ao frango, está com um aspecto deveras apetitoso 😉
    Beijinhos*

  • Canela
    Setembro 11, 2009

    Luísa
    Um dos meus filhos ía adorar esse frango,é uma das receitas preferidas dele.
    Nasci e vivi toda a vida na cidade (Lisboa),as melhores recordações de férias que tenho da juventude não são as do estrangeiro,mas as passadas numa herdade do Alentejo.
    Adoro mexer na terra,ver crescer as plantas e os animais.Dou muito valor às pessoas que trabalham na agricultura e a todos os produtos biologicos.
    Em relação a este tema,parece que adoro tudo o que detestas ;)),mas na apreciação do frango estamos em consonância.
    Beijos

  • Luísa Alexandra
    Setembro 11, 2009

    Canela, como sempre tive na família actividades ligadas à vida rural não lhe acho piada nenhuma, mas é claro que dou valor a tudo o que os meus avós fazem.
    Apenas não é uma actividade que me seduza.

  • lili
    Setembro 11, 2009

    tambem costumo fazer um frango parecido e adoro!!
    o teu ficou com excelente aspecto principalmente por ser caseiro.
    bjs

  • ♥ mesa para 4
    Setembro 11, 2009

    Ficou um franguinho mesmo mesmo caseirinho 🙂

  • Na Cozinha da Carina
    Setembro 11, 2009

    amei essa receita!

  • micas
    Setembro 11, 2009

    Adorei o franguito e ao contrario de ti adoro mexer na terra e de animais de estimação – de criação não- moro no centro da vila e não tenho quintal, mas faço questão de me deslocar – a 2 km de casa- aos terrenos dos meus pais para os cultivar, ao menos lá ninguem me chateia, e impera o silencio, beijinhos linda.

  • Paladares de Festa
    Setembro 11, 2009

    Rico franguinho, está com um aspecto maravilhoso!!
    Eu sempre vivi na cidade, mas as melhores recordações de infância que tenho são as passadas em Mirandela com as minhas Tias, em que ia ao curral buscar o leite, o queijo ficava a curar na área de refeições da cozinha, onde também estavam as alheiras,a marmelada, a geleia e todas as outras maravilhas que as minhas Tias faziam em casa…
    São gostos claro está!

    Beijoquinhas

  • argas
    Setembro 12, 2009

    Quanto ao frango, adorei, claro 😀 Tudo ao meu gosto…

    Quanto ao resto, pois, acho que o meu curso já dá a dica de que somos muito diferentes nesse aspecto. Gosta da terrinha e era incapaz de viver na cidade 🙂

    bjinhos, querida, e bom fim-de-semana

  • risonha
    Setembro 12, 2009

    já me fartei de rir com a tua história da capoeira.. vá lá que o galo não fez queixa de ti à Sociedade Protectora dos Animais… lol
    o frango ficou muito bom, tostadinho mesmo como eu gosto!

  • gasparzinha
    Setembro 12, 2009

    Luísa, eu sou como a Canela.
    Toda a vida vivi na cidade, mas sou completamente fã de horta, terra, campo, animais, fruta e legumes que cresceram sob os nossos olhos e com as nossas mãos na terra – acho um fenómeno fascinante.
    Mas biqueiradas de galos tb não aprecio!! 🙂 🙂 🙂

    O que eu aprecio muuuito é este frango – devia estar tão bom.
    Beijinhos.

  • Isabel Pisoeiro
    Setembro 12, 2009

    Franguinho caseiro da Avó, que maravilha!! Ficou um lindo aspecto, deve estar uma delícia!! :p

  • Aci
    Setembro 13, 2009

    Eu ia de férias para casa da minha avó, onde também havia galinhas, um quintal… eu divertia-me a atraí-las dando-lhes milho e quando as apanhava juntas saltava-lhes em cima para apanhar alguma. Elas fugiam esbaforidas saltando por todo o lada e fazendo muito barulho… eu divertia-me a persegui-las e faze-las gritar. Já lá vão tantos anos… agora já não tenho nenhum bichinho caseiro desses à mão… não há nos supermercados…

  • Daniela Ferreira
    Setembro 14, 2009

    Olá Luísa!
    Tenho visitado assiduamente o seu blog e adoro as receitas que faz. Também tenho uma Bimby e já meti em prática muitas das suas receitas. De facto, maravilhosas. Muitos parabéns.
    Também sou mãe e estou realmente curiosa como é que consegue gerir o seu tempo de modo a cumprir todos, esposa…). Gostava que me desse essa receita.
    Beijos e continue com toda essa criatividade.
    Daniela Ferreira

  • Luísa Alexandra
    Setembro 14, 2009

    Olá Daniela, e desde já obrigado pelas visitas aqui ao blog.
    Como em tudo na vids, quando nos dedicamos a algo com gosto conseguimos ter sucesso, nem que seja apenas o "nosso" sucesso.
    Eu não tenho o blog para agradar a ninguém, que não a mim.
    Em vez de passar duas horas por dia em frente à televisão a ver novelas que não "aquecem nem arrefecem" dedico-me a ele, pois tenho mesmo imenso gozo nas coisas que aqui coloco.
    O tempo que aqui passo é o meu tempo livre, é a minha descontracção, e isso todas temos!
    Resta apenas saber dar a melhor utilização possível ao nosso tempo de lazer!
    Tudo é possível, desde que seja feito com gosto e com paixão.

  • Eduarda Furriel
    Novembro 19, 2013

    Olá Luísa Alexandra…
    Como o tempo passa tão rápido… Acabei de ver um video seu, onde a Alexandra também é protagonista e toda fresca e fofa, mas em comparação com esta foto, cresceu tt nestes últimos 4 anos, tanto, está quase uma adolescente enquanto aqui ainda tinha aquele ar de criança…
    Entre outros acontecimentos, a vida passa mesmo a correr e temos que aproveitar o dia a dia…
    Beijinhos!

    • Luísa Alexandra
      Novembro 19, 2013

      Sem dúvida que cresceu muito, aqui nestas fotos tinha 4 anos, agora tem 8 🙂 E está uma mulherzinha já!
      Beijinhos.

O que você pensa?

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *