Lavar Vidros • Com água e vinagre

Quinta-feira, Maio 4, 2017

 

Há várias maneiras e truques para lavar vidros.

Cá por casa utilizo várias técnicas, desde simplesmente limpar usando um detergente limpa vidros e um pano de microfibra, lavar com máquinas de vapor ou com máquinas de limpar vidros, dar uma boa lavagem à mangueira e esfregar com uma vassoura suave molhada em detergente de lavar louça, usar vinagre e água a ferver… são várias as opções e escolho consoante a altura do ano e a sujidade que os vidros / janelas / estores tenham.

O modo que hoje vos mostro é o que uso nesta altura do ano, em que o tempo está quente [já demais para o meu gosto…], e o pó das árvores em redor da minha casa se entranha em todos os cantos.

Nas traseiras cá de casa há uma mata bem grande cheia de pinheiros e azinheiras, as árvores que mais pó amarelo deitam agora na Primavera.

Em nossa casa temos imensas azinheiras, as árvores «abençoadas» e protegidas desta terra santa, mas que são terríveis a largar folhas e principalmente pó amarelo, como podem ver nestas fotos:

 

 

Quando estou muito tempo perto delas caem-me lágrimas dos olhos de tão intenso que é este pó amarelo, irrita mesmo os olhos e as vias respiratórias.

A lavagem simples com um pano e limpa vidros não resolve o problema do pó, pois as calhas ficam mesmo sujas e os alumínios em volta dos vidros, como são cinza escuro, nota-se bastante o pó.

Opto então por usar água. Depois de varrer as varandas para tirar a maior parte do pó faço a lavagem à mangueira, inclusive dos vidros e estores.

Depois de retirado o pó amarelo passo então à lavagem propriamente dita dos vidros.

Uso panos de microfibra próprios para vidros, que não largam pelo.

Tenho alguns da Tupperware, outros da Vileda, uns de marca própria do Pingo Doce e outros do Continente.

 

 

 

 

 

Dentro de um balde coloco tudo o que preciso: os panos específicos para os vidros, outros panos para os alumínios e calhas [gosto de usar toalhas pequenas que são excelentes para o efeito], uma escova para os cantos de mais difícil acesso nas calhas, uma esponja daquelas delicadas que não riscam para, se necessário, tirar alguma sujidade mais entranhada [como dejetos de moscas e pássaros, um rodo limpa vidros para o caso de encharcar demais os vidros e um recipiente pulverizador com partes iguais de água e vinagre de limpeza.

Noutro balde coloco água a ferver, vinagre e apenas umas gotas de detergente para a louça.

Para dois litros de água a ferver coloco meio litro de vinagre e 3 gotas de detergente.

Se os vidros estão mesmo muito sujos pode juntar-se mais detergente de louça, usem um de boa qualidade que realmente ajude a sujidade a sair.

 

 

 

 

 

 

Nessa mistura mergulho um pano daquelas próprios para vidros que absorve imenso.

Como a água está a ferver [uso a cafeteira elétrica para o efeito], costumo usar luvas descartáveis para não me queimar.

 

 

Esfrego então os vidros com o pano molhado, de modo a retirar bem toda a sujidade.

Faço esta tarefa em dias mais frescos ou logo cedo, quando o sol ainda não bate nos vidros. Em dias de muito calor ou quando o sol está a bater de chapa nas janelas fica tudo manchado, não vale a pena o trabalho pois não se consegue uma limpeza em condições. De manhã cedinho é uma excelente altura para esta tarefa, ou então mais ao fim do dia quando o sol está quase a pôr-se. Eu gosto logo de começar bem cedo com as tarefas e gosto de fazer primeiro a limpeza exterior e só depois a interior para depois puder ter as janelas abertas sem a preocupação de ter as varandas sujas.

 

 

 

Com outro pano, gosto de usar toalhas de rosto já velhas, limpo os alumínios e as calhas, passando também com o pano molhado e depois com o seco.

 

 

Passo então para a secagem dos vidros: com a microfibra retiro o excesso de água, limpando de um lado para o outro, como se estivesse a desenhar S. De cima para baixo.

 

 

Resultado final:

 

 

 

Os vidros e os alumínios ficam bem limpos e sem manchas, além de que o vinagre ajuda ainda a afastar os bichos [não por muito tempo 🙂 ]

Este é o método que utilizo nesta altura do ano, se for no Inverno, como está o tempo mais húmido e não há tanto pó no ar, uso mais as máquinas para lavagem dos vidros.

Os vidros de interior não se sujam tanto, pelo que a limpeza simples com um pano e limpa vidros é o suficiente.

Gostava muito de saber as vossas dicas para a lavagem dos vidros, sintam-se à vontade para me deixar comentários a contar como o fazem aí por casa 😉

Print Friendly, PDF & Email
15
11 Responses
  • Patricia Rodrigues
    Maio 4, 2017

    Adorei as diacs 😉
    Beijinho
    http://adiaryb.blogspot.pt/

  • Raquel Alabaça
    Maio 4, 2017

    Esse pó amarelo é terrível! Eu fico com uma alergia nos olhos e é difícil parar de espirrar. Nesta fase primaveril aconselharam-me a só abrir as janelas da parte da tarde. Porque de manhã há mais pó das árvores e das flores liberto no ar e entra em casa.
    Quanto à limpeza, antes da lavagem eu aspiro as calhas para remover pêlos dos animais e alguma sujidade e então depois lavo. Nesta altura para lavar os estores é mesmo com mangueira, detergente e uma vassoura macia. E de seguida passo um pano turco (velho). Para os vidros o processo é semelhante ao teu, mas nunca experimentei o vinagre. Tenho notado que os meus panos de vidros da tupperware estão a largar pêlo não sei porquê até que alguns são ainda novos.
    Faço a mesma coisa na porta de entrada principal e numa que tenho na garagem e ando sempre com o aspirador até porque eu moro numa zona ventosa e prefiro aspirar do que varrer, mesmo no exterior.

    • Luísa Alexandra
      Maio 4, 2017

      Com o vento é mesmo terrível! Eu também moro numa zona bem ventosa e é um desassossego!

  • elisabeta
    Maio 4, 2017

    Ola Luisa, aqui por casa tanto uso o vinagre como limpa vidros de boa marca. Os resultados são iguais.
    beijinhos

  • alcina Calhau
    Maio 4, 2017

    Pois essa coisa dos vidros é terrívellll a minha casa tem quase 1km 🙂 de varandas de vidro e divisões que não tem parede só vidro…. uma saga, tendo em conta que moro num 4º andar e não numa vivenda é uma tarefa quase impossível….
    A minha esperança está num aparelho que nem sei se foi a Luísa que mostrou, tipo imã limpamos por dentro e uma coisa limpa por fora :O
    Mas também faço assim onde chego, com água e detergente e depois seco com uns panos de microfibras excelentes mas são do lidl, essa dica do vinagre não costumava usar, sempre a aprender 🙂
    bjs

    • Luísa Alexandra
      Maio 4, 2017

      Esse aparelho do iman ainda não o tenho, mas anda debaixo de olho 😉

  • Dulce
    Maio 9, 2017

    Olá Luísa!
    Já há muito tempo que recorro ao vinagre para variadíssimas limpezas…é seguro e barato! Uma dica: Eu junto umas gotas de essência de baunilha (mas pode ser outra coisa qualquer) para anular o cheiro que, a meu ver, é o único inconveniente do vinagre!

    Gostava de te deixar umas sugestões para falares no teu blog, caso saibas do assunto e assim o entendas fazer, claro está.
    – Como vedar os terrenos de forma mais barata à volta das casas (quando não podemos murar tudo à volta). Arame farpado, rede,???
    – Alarmes (a minha casa já foi assaltada duas vezes!!!) para casas que estão, como a tua e a minha, mais afastadas dos meios urbanos.
    – Fica muito caro o alarme? Preços e empresas mais credíveis
    – Tipo de flores e plantas para o jardim que não requerem muita água (fico fora algumas vezes no ano- quando os ladrões aproveitam para ir lá- e precisava de plantas que não estivessem já mortas à minha chegada.
    Obrigada e um beijinho grande!

    • Luísa Alexandra
      Maio 9, 2017

      Obrigada Dulce 🙂
      Deixo-te a minha opinião acerca dos assuntos que pedes para abordar:
      – O nosso terreno é vedado todo a muro. É um investimento inicial maior, mas garante uma privacidade inigualável. Optámos por muros de tamanho médio, não os considero altos demais, mas também não são baixos demais, são mais ou menos do tamanho de uma pessoa [se modo que ao passar de carro não se veja o que se passa dentro de muros]. Como o nosso terreno não é totalmente nivelado em certas zonas o muro é mais alto do que em outras. Sendo o local onde moramos e onde os meus filhos brincam na rua achei o mais aconselhável. Se por exemplo fosse um terreno sem construção optava por colocar rede, existem imensas redes giras e agradáveis ao olhar 🙂 Mas para manter privacidade o muro é, no meu ponto de vista, o melhor. Também há casos em que se coloca um murete baixo com rede por cima e depois sebes à volta, mas a manutenção das sebes não é tarefa fácil…
      – Alarme. Posso fazer um post com o alarme que temos em casa. Foi colocado pela empresa Bloco, cá de Fátima. Existem várias opções, depende sempre do que se pretende. Visto que temos os gatos dentro de casa tivemos que optar por um sistema mais dispendioso e que cobre todas as entradas [janelas e portas] pelo exterior. Existem opções mais baratas mas que não permitem depois que se ande dentro de casa quando o alarme está activo. Além disso temos câmaras e acesso às imagens através de telemóvel. O melhor é sempre falares com a empresa que monta os alarmes e, dependendo do tipo de casa e do que pretendam, eles aconselham o que acham que melhor se adequa.
      – Flores e plantas. Quando pensei no jardim cá de casa tive o cuidado de “estudar” juntamente com a empresa que me fez o jardim as melhores opções para o nosso tipo de terreno e para esta zona. É muito ventosa, um microclima específico e é preciso escolher bem o que se planta para que se consiga ter bons resultados. O nosso jardim, como já mostrei várias vezes, tem imensas plantas de cheiro [alfazema, alecrim…] e pequenos arbustos campestres. Em todo o jardim ao redor da casa [junto aos muros] colocou-se rega automática, por isso o jardim não dá praticamente trabalho nenhum. Levou tela isolante e por cima seixos, por isso apenas esporadicamente nascem ervas daninhas, que com facilidade eu apanho [são poucas mesmo…]. Tentou aproveitar-se ao máximo as azinheiras que o terrenho já tinha [e que são o principal problema de sujidade que tenho na relva pois deitam imensa porcaria…]. A rega automática é sempre o melhor para evitar andar constantemente com o trabalho de regar, informa-te pois é algo relativamente simples de colocar e que, tendo em conta o trabalho que pouca, vale bem a pena o investimento. O nosso foi todo feito pelo Jardim do Futuro, cá de Fátima. É esta empresa que me trata do jardim sempre que necessito. Depois temos relva sintética que está sempre bonita e que apenas precisa de ser limpa quando é necessário.

  • Mmrim
    Maio 14, 2017

    Para dar o arremate final e brilho nos vidros eu gosto sempre de usar o velho e bom jornal amassado 😉

  • Marta Guedes
    Julho 18, 2017

    Essa escovinha parece ser muito prática. Onde arranjou?
    Obrigada.

Responder a Marta Guedes Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *